sábado, 19 de maio de 2012

NÃO ADIANTA DEITAR SEMENTES FÉRTEIS EM TERRA INFÉRTIL



Muitas pessoas ficam preocupadas com a carência de vitaminas, proteínas, sais mineiras, omega 3, b12, cálcio, ferro, etc.
Então desatam a encher-se de vitaminas, proteínas, e tudo o mais cientificamente provado.
Qualquer agricultor sabe que preparar a terra é a condição principal para ter uma boa colheita.
De que adianta deitar boas sementes numa terra que não foi adequadamente preparada?
Para a cura das doenças é o mesmo, é preciso preparar o sistema digestivo, a flora intestinal, que é o principal, para as sementes nutritivas da alimentação produzirem energia.
Se a nossa horta interna que é o sistema digestivo não tiver sido bem preparado, lavrado, nem uma simples dor de cabeça pode ser curada.
Este é o grande engano da maioria que imagina que o valor nutricional do alimentos é principal, mas engam-se porque o principal é a capacidade de absorção dos nutrientes, a qualidade da nossa terra interna, os intestinos.
O QUE A MEDICINA E A CIÊNCIA NUTRICIONAL FAZ NADA MAIS É QUE LANÇAR EM TERRA ESTÉRIL SUPOSTAMENTE "BOAS SEMENTES"(Remédios, suplementos,etc), ESQUECENDO O PRINCIPAL: MUDAR A QUALIDADE DA TERRA INTERNA, A NOSSA FLORA INTESTINAL.

O FRACO CONSCIENTE É QUE SUSTENTA, ALAVANCA O FORTE INCONSCIENTE



O pobre consciente é que sustenta, ALAVANCA o rico inconsciente..
A doente consciente é que sustenta, ALAVANCA o saudável inconsciente.
A dúvida confirmativa é que sustenta, ALAVANCA a convicção inconsciente

SÃO OS VÍRUS A CAUSA DAS DOENÇAS OU AS DOENÇAS A CAUSA DOS VÍRUS?



A esta pergunta ainda nenhum cientista conseguiu responder satisfatoriamente, pois todos imaginam que são os vírus a causa das doenças.
Mas será assim, ou isso é fanatismo fantasmagórico cientifico pós moderno?
Na realidade não existe relação de causa e efeito entre vírus e doença.
Assim como não existe a relação entre a saúde de uma planta e os microorganismos existentes na terra onde a planta está plantada, a saúde da planta depende da qualidade principalmente da terra, mais ácida ou alcalina e complementarmente da sementes.
Será que a terra duma planta com o vírus da hepatite b, c,d,e f,g h seria menos fértil?
Para a planta não existem os supostos inimigos, fruto da imaginação fantástica humana, que acredita que existem microrganismos bons e microrganismos maus, para terra tudo é útil, não desperdiça nada, não exclui nada.
Também a nossa saúde depende principalmente da qualidade da nossa flora intestinal, a nossa horta interna, e da qualidade de sementes que ingerimos.
A nossa saúde não tem nada a haver com vírus fantasmas causadores de doenças.
A fêmea do crocodilos do nilo, faz um ninho, com lama e folhas, cheios de microrganismos, vírus e bactérias, onde deposita até 60 ovos cuja incubação demora cerca de 3 meses. O que determina o nascimento de mais machos ou fêmeas é a temperatura exterior, que irá condicionar a temperatura no interior do ninho, não são os virus ou os microorganismos que ditam a saúde do futuros crocodilos, nem tampouco é o numero de cromossomas que determina o sexo, mas a temperatura.

FOI DEUS QUE CRIOU O HOMEM OU O HOMEM QUE CRIOU DEUS?



Segundo o livro milenar, a biblia, está escrito: "No principio era o verbo e o verbo era deus". 
Na bíblia não está escrito no principio era deus, mas sim no principio era o verbo. E o verbo, a linguagem é uma característica humana não de deus. Deus portanto não existe, deus é a palavra humana,integral e integradora, unificadora.

EVOLUCIONISMO, OU UMA TEORIA DA MACACACA?



Na natureza a semente de melancia produz melancias, que por sua vez produzem sementes de melancia. 
É impossível uma semente de melão produzir melancias, mas parece ser esta a teoria dos evolucionistas: O esperma de macacos produzir humanos, então por esse raciocínio, o espermatozoides humanos deveriam produzir macacos.

A MENTIRA DAS CÉLULAS ESTAMINAIS



Segundo a ciência as células estaminais são as células mestras do corpo humano. Elas podem dividir-se para produzir cópias de si mesmo e muitos outros tipos de célula. Elas são encontrados em várias partes do corpo humano em cada fase do desenvolvimento do embrião a adulto.as células estaminais retiradas de embriões com poucos dias de idade, podem se transformar em qualquer um dos 300 tipos diferentes de células que compõem o corpo do adulto. Esta capacidade de transformação das células estaminais pode representar tratamento para muitas doenças que afetam milhões de pessoas no mundo.


Na realidade isto é apenas delírio cientifico. Vamos fazer a seguinte analogia:
Imaginemos uma semente lançada na terra, embora sem sementes não possam existir plantas, é o cultivo da terra que é principal e não a semente, de que adianta lançar sementes na terra sem depois acompanhar todo o processo desde o nascimento até á frutificação.
Cultivar a terra é principal, a semente é complementar. O problema é ainda mais grave quando as células estaminais, nem sementes são, elas no máximo são as primeiras folhas da planta. Nem o agricultor mais louco do mundo se atreveria a fazer uma sementeira com as primeiras folhas que brotam da planta.

Doenças onde elas estão a ser usadas:
Para já as células estaminais estão a ser usadas para tratamento nas seguintes áreas
Transplantes para tumores malignos
Transplantes para disfunções hereditárias que afectam o sistema imunitário e outros órgãos
Transplantes para disfunções do metabolismo hereditárias
Disfunções leucodistróficas
Doenças do armazenamento lisossómico
Outras disfunções hereditárias
Transplantes para disfunções da proliferação celular
Transplantes para doenças do sistema nervoso central
Leucemia aguda
Leucemia crónica
Síndromas mielodisplásicos
Linfomas
Anomalias hereditárias dos glóbulos vermelhos
Anemias
Anomalias hereditárias das plaquetas
Disfunções mieloproliferativas
Imunodeficiências combinadas graves
Neutropenias
Disfunções de fagócitos
Cancros na medula óssea
Doenças autoimunes
Doenças do sistema nervoso central
Reparação de orgãos como os rins e o figado
Terapia genética

SE O SANGUE É PRODUZIDO NA MEDULA ÓSSEA, A SEIVA É FEITA NOS TRONCOS DA ÁRVORE


Um dos dogmas da ciência médica é que o nosso sangue é feito na medula dos ossos largos, por isso em caso de leucemia os médicos fazem transplante da medula óssea.
Será que os agricultores quando a arvore está a morrer, também deveriam injectar seiva no tronco da arvore, em vez de regar e cuidar da raiz da árvore?
A teoria de que o sangue é feito na medula dos osso largos não tem nada a ver com a realidade, na realidade, assim como a seiva é produzida na raiz da arvores, o nosso sangue é produzido nas nossas raízes portáteis, os intestinos.
Está na hora de os médicos e as ciências médicas fazerem em vez do trasplante medular, o transplante mental das suas próprias cabeças.

terça-feira, 15 de maio de 2012

MEDICINA LEUCÊMICA



Os glóbulos brancos são considerados pela medicina convencionada os responsáveis pela nossa imunidade. Se esta lógica fosse verdadeira então os doentes com leucemia teriam uma saúde de ferro, visto neste doentes o numero de glóbulos brancos ser muito grande e proliferar em excesso.
A causa principal da leucemia não é a culpa dos glóbulos brancos, os glóbulos brancos não tem nada a ver com nossa imunidade. A causa da leucemia é a ingestão do leite de vaca branco e do açúcar branco, e da fruta que dá brancas na memoria.

MENTIRAS SOBRE O CANCRO


A supostas células cancerosas causadoras do temido cancro, segundo os mais eminentes especialistas mundias são mais resistentes e fortes que as células ditas saudáveis, e a sua reprodução é muito mais rápida que as células saudáveis, por esse raciocínio os doentes cancerosos deveriam ter uma saúde de ferro e rejuvenescer a uma velocidade inacreditavelmente espantosa.
Mas a realidade é bem diferente, nenhuma célula cancerosa se reproduz. A célula cancerosa faz parte de um tecido morto.
1º As células mortas não se reproduzem.
2º As células mortas não se reproduzem por mitose(reprodução assexuada).
3º Só as células normais se reproduzem por fusão (reprodução sexuada)

O que existe no microcosmos nada mais é que uma replica do que existe no macrocosmos.