quinta-feira, 30 de junho de 2011

CRISE MUNDIAL GENERALIZADA - O FATALISMO DA DIALÉCTICA BINÁRIA


Todos os sistemas, desde a economia, saude, à justiça nacional e internacional, estão falidos, ou em vias de falir, ou desintegrar-se, porquê?
Será por falta de pessoas competentes, bem intencionados, falta de litracia, formação académica? Será que todos são malvados, mal intencionados e coruptos? É óbvio que não, existem pessoas e lideres que querem fazer o melhor, por si e pelo seu pais ou mesmo pelo mundo. E porque não funciona?

O ser humano ao descobrir o poder da palavra, transformou a guerra fisica em guerra verbal. É por isso que o que impera hoje é a guerra verbal generalizada.

Podemos observar isso nas discussões parlamentares, entre familiares, pais e filhos, e quase sem excepção em todos os campos de actuação humana.

Por incrivel que pareça, não existe quase nenhum lider ao cimo da terra, que não seja vitima da fatalidade do pensamento binário, que teima em ver o bom separado do mal, a justiça da injustiça, a saude da doença, a felicidade da infelicidade, o amor do ódio, a pobreza da riqueza, a beleza da feiura, a fama do fracasso.

O grande paradoxo, é que quem procura o bom separado do mal, a justiça da injustiça, a saude da doença, a felicidade da infelicidade, o amor do ódio, a pobreza da riqueza, a beleza da feiura, a fama do fracasso, procurando apenas a parte positiva sem a negativa vai paradoxalmente encontrar, apenas a parte negativa : mal sem bom, injustiça sem justiça, doença sem saude, infelicidade sem felicidade, ódio sem amor, pobreza sem riqueza, fracasso sem fama, etc.

Por isso hoje em dia predomina a insatisfação generalizada, quer dos lideres quer dos liderados, que por falta de condicionamento verbal, mental e sentimental, levam os seus liderados, ao desastre total, assistindo hoje à derrocada do neoliberalismo economico selvagem, em que o ser humano é uma máquina de produzir e consumo ou do socialismo útopico, em que todos tem direitos sem deveres, todos eles maniquesitas, binários, usando apenas um olho enquanto o outro descansa.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

DIALÉTICA MANIQUEISTA MACROBIÓTICA E SIMULTANEIDADE TERNÁRIA



Toda agente imagina que a pessoa inteligente é inteligente e a pessoa ignorante é ignorante, que bom é bom e mau é mau, nada mais longe da verdade, pois não existe no nosso mundo absolutamente relativo, inteligência sem ignorância nem ignorância sem inteligência, não existe bom sem mau, nem mau sem bom. Bom e mau sempre existe temerariamente, indivisivelmente e desproporcionalmente. Para quem têm visão micro-macrodinâmica, bom é mau e mau é bom, interligadamente. Por exemplo: ignorante aplicado estudioso é muito melhor que inteligente que não sabe duvidar, estudar, aprofundar. Assim também doente consciente é muito melhor que saudável inconsciente, ódio útil é muito melhor que amor inútil, mentira útil, muito melhor que verdade inútil, desequilíbrio vitalizador e muito melhor que equilíbrio fatal, pobreza vital é muito melhor que riqueza fatal. Por isso muitas pessoas inteligentes, que não sabem duvidar acabam por ter destino desatroso, e muitas pessoas ignorantes, estudiosas um destino mais autocontrolado, prevenido. Assim quem acredita sem duvidar, nos ensinamentos de George Ohsawa e da macrobiótica, do yin e yang maniqueista, sem nenhuma duvida, ou é um ser transcendental, iluminado ou é um fanático.

domingo, 26 de junho de 2011

DIVIDOCRACIA, VICTIMOCRACIA E O LIVRE ARBITRIO



Quotidianamente somos tentados pelos três principais desejos: A GULA, O SEXO E O CONFORTO. O grande engano é pensar que a satisfação deses dessejos conduz à liberdade, igualdade e fraternidade. Quando o que na realidade acontece é que a satisfação sem a insatisfação sempre leva à saturação, produzindo as três principais desgraças da humanidade: DOENÇA, MISÉRIA E VIOLÊNCIA. A gula leva à doença ou à falta de apetite, o sexo descontrolado leva à violência na forma de abortos ou a agressões, o conforto só leva à miséria individual e familiar e ao tédio. Com a doença, violência e miséria generalizada os sistemas politicos não tiveram outra alternativa senão endividar-se em sistemas de saude complicados e complicadores, em sistemas de justiça burocratizados e injustos, e em satisfação da vontade dos bancos com especulações cada vez mais virtuias feitas por supercomputadores, criando assim o novo regime mundial: A DIVIDOCRACIA. É óbvio que o povo não teve outra alternativa senão criar o seu proprio sistema a VICTIMOCRACIA, sistema em que os que são vitimas da gula, do sexo e do conforto, reclamam mais conforto, dinheiro, comida e afecto a lideres falidos também eles, por causa da gula, do sexo e do conforto.

FELICIDADE, INFELICIDADE E REALIDADE TRIDIMENSIONAL


A humanidade actual vive sobre o dogma fatal da dualidade, felicidade-infelicidade, amor-ódio, saude-doença, riqueza-pobreza, sorte-azar, etc, dividiu-se então entre os que pensam sem agir, os parladores ditadores ladrões, a DIVIDOCRACIA, e os que agem sem pensar, os trabalhadores assalariados escravos,a VICTIMOCRACIA, entre os macrobióticos, espiritualistas, impotentes, e os microbióticos materialistas, prepotentes, sem que exista um elo de ligação entre ambos. Porém a realidade é ternária, interligada entre passado, presente e futuro.Ternariedade é simultaneidade dinâmica, desiquilibrada. Somente quem manifesta o livre arbitrio consciente balanceado entre o pensar e o agir interligado pelo coração tem condições de participar na determinação do proprio destino e do destino solidário.

sábado, 25 de junho de 2011

VERBO, FOGO E SAL



O que permitiu ao ser humano passar de quadrupede, para a posição erecta, foi a descoberta do sal, o que está a levar o ser humano a ficar o dia todo sentado em frente ao computador, e sem voluntariedade é o açucar.

O que permitiu o ser humano começar a sentir atracção pelo sexo oposto, foi a descoberta do fogo, o que está a levar a humanidade é ficar cada vez com mais aversão ao sexo oposto, impotente e frigida foi a descoberta do frigorifico e da comida congelada.

O que permitiu ao ser humano desenvolver as suas faculdades mentais, foi a descoberta da palavra falada e escrita, o que está a levar o ser humano à loucura generalizada, foi a descoberta do dinheiro.

ORDEM DO UNIVERSO FATAL E A DESORDEM REORDENÁVEL DA EXISTÊNCIA HUMANA MARAVILHOSA

-
O universo tem uma ordem, sempre depois da noite vem o dia e depois do dia vem a noite. Esta é uma ordem infalível. O ser humano porém como já é fruto dessa ordem pré-existente, ordenada, está apto a experimentar a desordem reordenável, é isso que explica por exemplo a atracção pela doença que a maioria das pessoas possui. Mas nem sempre depois dessa desordem vem a ordem, como sucede com o dia e a noite, nem sempre depois da doença vem a saúde, nem sempre depois do ódio vem o amor, nem sempre depois da guerra vem a paz, nem sempre depois do yang vem o yin ou vice-versa, como imaginatoriamente é ensinado na macrobiótica.
Porquê?
Porque o ser humano tem livre arbítrio e o universo não. Ou será que o sol decide onde vai brilhar hoje? É o livre arbítrio que nos torna diferentes do universo, antagónicos e complementares. Por isso muitos ficam à espera de conseguir a liberdade infinita, a justiça absoluta, não sei o quê mais absoluto, pela aceitação passiva da fatalidade, coisa muito comum em que acredita na ordem do universo infinito, ensinamento muito vinculado por George Ohsawa e outros lideres macrobióticos, e assim não confirmam e exercem o seu livre arbitrio para mudar, redireccionar a fatalidade em normalidade.

sábado, 11 de junho de 2011

PAZ DIABÉTICA, FELICIDADE NEGOCIADA E AMOR MENDIGO



O ser humano ao descobrir o fogo e o sal, começou a desenvolver o verbo. O verbo, o fogo e o sal tornaram o ser humano integro. O açúcar, a verba e o gelo foram a origem do começo da desintegração humana. Se o excesso de comida solidificada, rica em sal e sais minerais, como as proteínas animais, tornam o ser humano pré-conceituoso, aniquilando quem seja contra, o excesso de alimentos que produzem muitos gases, como o açúcar e a fruta, tornam as pessoas pró-conceituosas, aniquilando-se a si mesmos, com idéias demagógicos de felicidade comprada, de amor frígido ou impotente, e de paz diabética, por isso hoje em dia a maioria das pessoas que procura a paz acaba por ficar diabético, porque o alimento predileto de todo o pacifista é o açúcar, fruta, mel e derivados. Outros querem a todo o custo comprar a felicidade, para tal trabalham dia e noite à espera de ficar ricos e quando enriquecem a felicidade já inflacionou e já não a podem comprar. Os que não conseguiram comprar a felicidade com dinheiro nem obter a paz com açúcar refugiam-se agora no amor exigindo dos outros ser amado, acabando por cair no amor alcoolizado ou narcotizado. POR ISSO A MAIORIA, HOJE EM DIA, É PACIFISTA DIABÉTICO, NEGOCIADOR DE FELICIDADE OU MENDIGO AMOROSO.

COMPROMISSO VITAL OU COMPROMISSO FATAL


Toda a gente está comprometida com a profissão para ganhar dinheiro, comprometida amorosamente com o parceiro/parceira, comprometida com a satisfação dos desejos gastronômicos. Mas compromisso com dinheiro, amor e alimentação sem compromisso com as palavras micro-macromacrodinâmicas é compromisso fatal. Riqueza sem palavra confiável, interligadora é riqueza miserável, inútil, destruidora, amor sem integralidade cerebral, usando os dois hemisférios, as duas mãos é amor obsceno, estéril, saúde sem sacrifico materno, cheia de remédios, vitaminas, é saúde maldita.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

O QUE É A MICROMACROBIÓTICA?


Micro é a visão interna, macro é a visão externa, micro é principal, macro é complementar, interactivamente. Micromacrobiótica é a aplicação do ensinamento da natureza: "Um grão dez mil grãos". Minimo esforço para o máximo de realização, minimo de saude, máximo de vitalidade, minimo de comida, máximo de nutrição, minimo de estudo, máximo de compreensão, minimo de riqueza para o máximo de fertilidade, minimo de liberdade, máximo de autolibertação.
A felicidade não está em ser feliz, mas em aprender a viver felizmente com a infelicidade. A saude não está em ser saudavel, mas em aprender a ser doente consciente, muita mais que saudável inconsciente. A riqueza não está em ter muito dinheiro, mas em aprender a sentir satisfação vital com o minimo necessário. Quem não sente satisfação na infelicidade, vai sentir muito maior insatisfação na felicidade. Quem não é doente consciente, é saudável inconsciente. Quem não sente satisfação vital com o minimo de dinheiro, sente desespero fatal com o máximo de dinheiro. Vida é problemas renováveis, quem aceita os problemas entusiáticamente, quem se nutre deles, usa o minimo de esforça para o máximo de realização, quem os rejeita, exclui, usa o máximo de esforço para o minimo de realização. Para o grão de cereal, o frio, a humidade, a pressão atmosférica, a escuridão, são o problema, mas simultanemente a solução multiplicadora crescente. O grão ao invés de reclamar ou culpar os outros, ela usa essas condições como fontes de energia. É pisada e comida por insetos e vermes, mas a cada dificuldade, fortalece-se e desenvolve-se mais e mais e brota dez mil grãos.

domingo, 5 de junho de 2011

YIN SUICIDA, YANG HOMICIDA E NORMAL


Por causa da sobrevalorização do Yang, nosso querido mestre George Ohsawa morreu.
Por causa da sobrevalorização do yin, muitos nossos queridos Professores mais velhos e nossos queridos amigos mais modernos, estão a morrer e alguns já morreram. Ao imaginar que a paz, amor e felicidade é o que é bom, e guerra contra si próprio, ódio principalmente a si mesmo, e infelicidade é mau.

ESTÁ NA HORA DE SER NORMAL, e deixar Esse dualismo FATAL:

1) INFELICIDADE SEM FELICIDADE OU FELICIDADE SEM INFELICIDADE.

2) SAÚDE SEM DOENÇA OU DOENÇA SEM SAÚDE.

3) O AMOR SEM ÓDIO OU AMOR SEM ÓDIO.

Resumindo: yin sem yang ou yang sem yin.
Precisamos de Yin e Yang, simultaneamente, proporcionalmente e alternadamente.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

PORQUE A MACROBIÓTICA NÃO FUNCIONA NORMALMENTE? PORQUE ABANDONOU O PRINCÍPIO UNIFICADOR

A dieta macrobiótica, de acordo com o princípio unificador diz-nos o seguinte: "Do Yin, comer o Yang e do Yang, comer o Yin". Isso significa que se temos vegetais (yin) devemos consumi-los de uma maneira yang: cozidos, com sal e sempre escolhendo os vegetais mais yang. Mas se vamos consumir um produto de origem animal(yang), devemos optar pelos animais mais yin como o peixe. Se usamos carne de mamíferos como alimento, escaparemos facilmente da ordem do equilíbrio biológico e fisiológico.
Mesmo dentre os peixes, recomendamos que se opte por aqueles que são mais yin, peixes que nadem mais lentamente,com maior longevidade. A carpa é um peixe que é bastante mais yin (menos yang) do que outros. O linguado, e outros peixes de carne branca e com escamas, também são menos yang. Os peixes sem escamas e com carne vermelha pedirão ao organismo um maior esforço de equilíbrio. Se usarmos a carne de mamíferos como alimento, escaparemos facilmente da ordem de equilíbrio biológico e fisiológico. De acordo com o princípio unificador, os cereais, particularmente arroz integral, são o alimento mais adequado, porque os grãos crescem de baixo para cima e os seres humanos de cima para baixo. Em outras palavras, o arroz é o alimento mais antagônico ao ser humano. Tudo aquilo que nos é mais adverso é aquilo que mais nos fortalece. Contrariamente ao que a maioria das pessoas pensa que o que nos fortalece é o que é mais favorável.

A teoria dos cinco transformações dá- nos alguma desta informação?
Parace que não. A teoria dos cinco transformações diz-nos quais as características particulares de cada alimento e a sua relação com cada órgão. Eu penso que a teoria dos cinco transformações é mais bem aceita pela macrobiótica porque é mais parecida com a medicina convencional ocidental, que é mais específica, detalhista. Contudo o nosso princípio unificador nos diz: quanto maior a precisão, maior a imprecisão, potencialamente. O principio unificador,e o yin e yang deve ser principal a teoria dos cinco elementos deve ser complementar.Foi esta inversão entre o principal e o complementar que desencadeou a maior confusão na macrobiótica dita moderna.
Por exemplo, muitos macrobióticos, deixaram de comer arroz integral com alimento principal, ou comem em proporções desaguadas, porque de acordo com os cinco elementos, arroz integral torna-nos mais secos, mas isso não é verdade de acordo com o princípio unificador, que diz que se a pessoa fica mais seca, desidratada é geralmente causada por excesso de líquido, frutas, etc, alimentos mais yin. Tudo é produzido pelo seu oposto.
A causa da desidratação utilizando o princípio unificador é causada pelo excesso de líquido,frutas,etc, que desmineralizam e, paradoxalmente, não deixam absorver os líquidos.
Assim, muitas pessoas não entenderam, a restrição(não proibição) de líquidos da macrobiótica de George Ohsawa.

Outro exemplo: quando as pessoas ficam muito magras, eles dizem que estão muito yang. O princípio unificador nos diz o seguinte: quando a forma fica yang, a função se torna yin. Isso significa que quando uma pessoa é magra, na verdade internamente está mais yin, funcionalamente falando.

O princípio unificador é o princípio dos paradoxos, é necessário que as pessoas entendam isso. Quem é magro, paradoxalmente e geralmente é quem come demais, é um verdadeiro glutão. Quem é fraco e impotente, em geral, come alimentos muito nutritivos abusivamente. Quem é menos inteligente, em geral é quem estuda demais e duvida de menos. As pessoas tem medo de ficar fracas, então a maioria das pessoas morre forte, enfartada de vitaminas, proteinas e outras coisas mais. Nunca devemos esquecer que o princípio unificador nos ensina que a melhor maneira de ficar mais forte é enfraquecer controladamente, a única maneira de ganhar é aprender a perder, a única maneira de subir é aprender a descer, devemos compreender que todos os paradoxos são terrivelmente coerentes.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

A verdadeira causa da morte do Prof. George Ohsawa -Tomio Kikuchi

Por que Abandonei a Dieta Macrobiótica em prol do Princípio Unificador Por Carl Ferré


Abandonei a Dieta Macrobiótica em prol do Princípio Unificador - Carl Ferré, presidente da George Ohsawa Macrobiotic Foudation

Quando Carl Ferré, presidente da George Ohsawa Macrobiotic Foundation e editor da Macrobiotics Today, vem a público dizer que abandonou a dieta macrobiótica, o mínimo que devemos fazer é dar-lhe ouvidos.

No meu caso, a dieta macrobiótica não funcionou. E olhem que observei estritamente a dieta standar, abrindo mão dos alimentos tidos como impróprios. Depois de anos seguindo o regime padrão, vi-me, contudo, sem energia, sem forças para correr e com vários problemas de saúde. Perplexo, interroguei-me: era a minha condição o resultado de uma prática desastrosa ou a consequência de uma dieta que de fato não funcionava?

A Dieta Macrobiótica Standar

Minha conclusão, após anos de prática, é que a dieta macrobiótica standar tanto nos pode ser útil como prejudicial. Ela é útil, porque qualquer um pode compreendê-la e segui-la. Estão excluídos da dieta os alimentos tratados quimicamente ou excessivamente processados, como o açúcar refinado. Evitar tais alimentos conduz grande parte das pessoas a uma condição saudável. Daí apressadamente concluírem que o que se deve fazer para afastar a doença é ingerir os alimentos permitidos e abster-se dos proibidos.

A dieta macrobiótica standar é altamente prejudicial quando resistimos a mudanças ou recusamos ajuda qualificada, acreditando cegamente que a ingestão dos alimentos permitidos nos levará eventualmente à cura. Foi isso que aconteceu comigo. Eu estava convencido da minha melhora. O universo dirigia-me sinais de que era preciso mudar, mas eu teimosamente mantinha-me firme na dieta padrão. Outro fator prejudicial é o medo infundado de certos alimentos.

A dieta macrobiótica standar está para a verdadeira macrobiótica assim como as rodinhas laterais estão para a prática de andar de bicicleta. Logo que conseguimos nos equilibrar, descartamos as rodinhas. Se as instalamos de novo, elas, em vez de ajudar, atrapalham. Dá-se o mesmo com a dieta macrobiótica estândar. A partir do momento em que aprendemos a usar os princípios macrobióticos, passamos a fazer as nossas próprias escolhas, em vez de seguir cegamente a dieta prescrita.

A primeira vez que uma criança anda de bicicleta sem as rodinhas, tem ela a seu lado os pais ou um amigo, que a encorajam durante certo tempo até que se sinta segura o bastante para que os adultos a deixem ir livremente. Na macrobiótica, este encorajamento constitui o trabalho dos educadores, orientadores e amigos macrobióticos.

Em lugar de continuar enfatizando a macrobiótica standar, ou mesmo a dependência à opinião de outrem, precisamos estimular as pessoas a abandonarem as rodinhas laterais e a confiarem em seu próprio julgamento. Os princípios macrobióticos não são difíceis de aprender, e cada um de nós guarda em si uma poderosa intuição. Devemos com ela aprender, nela confiar e dela usufruir.

Logo que abandonei as rodinhas laterais (a dieta macrobiótica standar) e aprendi a usar os princípios macrobióticos e a confiar em mim mesmo, o medo foi desaparecendo. E com ele as doenças! Continuei seguindo os princípios tanto na seleção do alimento diário quanto na de outras práticas saudáveis, e já não temo qualquer alimento da lista proibida. Hoje desfruto a vida sem as rodinhas laterais.

A Dieta de Prevenção ao Cancro

A dieta de prevenção ao Cancro é similar à dieta macrobiótica standar – ambas desenvolvidas por Michio e Aveline Kushi. A única diferença entre as duas é que a primeira se dirige às pessoas com a doença ou com medo dela. Ou seja, são as rodinhas aplicadas a uma condição específica.

Um de nossos leitores enviou-me um trecho da mais recente edição de Cancer Prevention Diet de Michio Kushi, e pediu um comentário sobre as recomendações para o século XXI nela veiculada. Aqui está o excerto:

“Para dar conta das constantes mudanças atmosféricas, ambientais e sociais, vários ajustes – nas recomendações dietéticas, nas compressas e nos outros tratamentos caseiros – foram incorporados a esta nova edição. Tais adaptações representam a resposta à hoje frenética energia ambiental e à crise da qualidade dos alimentos. O aquecimento global, a poluição, os organismos geneticamente modificados, os telefones celulares e o declínio na qualidade dos alimentos (incluindo a perda estimada de 25 a 50% dos nutrientes da maioria dos vegetais e frutas) exigem mudanças importantes na culinária macrobiótica, nos cuidados com a saúde e na cura. O planeta tornou-se mais quente e a tecnologia introduziu-se mais difusamente em nossas vidas – Internet, celulares, iPods. Como o ritmo da vida disparou, as pessoas tornaram-se mais exaltadas, mais tensas e mais inflexíveis no pensamento e na atitude. Para contrabalançar esta tendência yanguizante, que conduz a uma vida mais difícil, agitada e estressante, o alimento diário precisa ser mais leve e relaxador. Consequentemente, arroz e outros grãos cozidos à pressão – pedra angular da culinária macrobiótica – devem dar lugar, proporcionalmente, a grãos cozidos em panela comum ou no vapor. Grãos partidos também devem ser mais usados que outrora, tendo em vista a energia mais leve que contêm. É conveniente ainda que saladas e frutas frescas, sucos, óleos, sobremesas e outros alimentos sejam ingeridos com mais frequência do que antes. Os cardápios e receitas desta edição refletem essa tendência.”

Tiro o chapéu para Michio por ele entender que “mudanças importantes na culinária macrobiótica, nos cuidados com a saúde e na cura” são imprescindíveis. Suas análises e conclusões são, de um modo geral e tanto quanto posso divisar, precisas. O problema é a natureza prescritiva das recomendações.

Muitos de nós, baseados em condições pessoais e ambientais, e atentos aos princípios macrobióticos, abandonamos há tempos o arroz integral cozido à pressão. Começamos também a ingerir mais saladas frescas, frutas da estação e sucos. Alguém que está seguindo os princípios macrobióticos e confiando em seu próprio julgamento já fez os ajustes necessários. Alguns precisam de alimentos mais leves; outros, de alimentos mais concentrados. E não esqueçamos que isso pode mudar de dia para dia, de semana para semana, de mês para mês, de estação para estação, de ano para ano.

Como Saber o que é Melhor?

Em primeiro lugar, aprenda os princípios macrobióticos. Em segundo lugar, aprenda a confiar em sua intuição. Em terceiro lugar, aprenda a reduzir o medo.

Eis aqui a relação dos principais ensinamentos de George Ohsawa:

A Ordem do Universo

As Sete Leis da Ordem do Universo

Os Doze Teoremas do Princípio Único

As Sete Condições de Saúde

Os Sete Estágios da Doença

Os Sete Estágios do Julgamento

A Ordem do Universo revela-nos a nossa origem (donde viemos, a fonte de todas as coisas). As Sete Leis e os Doze Teoremas, ao lado das Sete Condições de Saúde e dos Sete Estágios da Doença, dão-nos as ferramentas necessárias para viver sobre a Terra. Os Sete Estágios do Julgamento elucidam a viagem de volta à nossa origem, da qual nunca realmente nos separamos. Quanto mais nos conectamos com a fonte de tudo, mais desenvolvemos nossa habilidade intuitiva e mais superamos o medo.

Confiar na intuição pode ser revolucionário. Nós temos medo de fazer a coisa “errada” e acabamos por imaginar várias hipóteses. Uma estratégia para mudar este tipo de pensamento é prestar mais atenção àquilo que realmente sentimos. Devemos ouvir a voz interior, que nos adverte quando há perigo e nos encoraja quando “sabemos” que estamos fazendo a coisa “certa”. O desenvolvimento da intuição constitui um assunto muito amplo. Planejamos abordar mais este tema no futuro.

Enquanto isso, cito um pequeno trecho de minha esposa, Julia, acerca da redução do medo. “Medo é o que fundamentalmente nos move sobre a Terra. Entre o medo e o amor, o primeiro quase sempre governa. Materializamo-nos para compreender isso, e posteriormente aprender a viver sem deixar que o medo nos domine. Sejamos, em vez de escravos do medo, libertos do amor.”

Mantendo a Macrobiótica Viva

Segundo Ohsawa, o objetivo da macrobiótica é auxiliar-nos a alcançar a autorrealização. Pouco antes de sua morte, entretanto, o sensei lastimou que nenhum de seus discípulos compreendeu-lhe integralmente os ensinamentos.

Ohsawa acreditava que a falta de entendimento se devia ao que ele denominou “pensamento enevoado”. E conforme teorizou, tal pensamento era o resultado de uma saúde precária, que, por sua vez, advinha de uma escolha equivocada dos alimentos. Por isso, os escritos de Ohsawa começaram a apresentar instruções específicas sobre dieta e saúde, ao lado de lembretes sobre os princípios universais. Na verdade, para ele, prática (dieta) e teoria (princípios) eram inseparáveis. Prática sem teoria é perigoso. Teoria sem prática é inútil.

Os anos 1960 e 1970 viram a teoria e a prática macrobióticas floresceram. As duas maiores mudanças ocorreram nos anos 1980 – a introdução da dieta macrobiótica estândar e o surgimento de uma dieta macrobiótica específica para o cancro. Dá-se hoje muita ênfase à dieta e cura e pouca ou nenhuma ênfase à teoria. Creio caber aos orientadores mais antigos (aqueles que iniciaram o movimento nos anos 1960 e 1970) corrigir esta situação.

Há uma tendência nesta direção após décadas de encontros e projetos. Há agora um encontro anual sediado em Portugal, a cada outono, de antigos professores macrobióticos; sem falar das conferências do Instituto Kushi e dos Acampamentos da George Ohsawa Macrobiotic Foundation. Os resultados estão começando a aparecer.

A saúde da macrobiótica como movimento não difere da nossa saúde individual. No meu caso, aprendi os princípios primeiro, mas depois passei a seguir uma versão estática e prescritiva da macrobiótica. Só obtive melhora quando adotei uma prática fundamentada na teoria macrobiótica, desvencilhando-me das rodinhas laterais - ou seja, quando deixei de seguir cegamente a dieta standar.

A interpretação da macrobiótica levada a efeito por Ohsawa teve início nos anos 1920 com os princípios. Seguiu-se um período de relativo equilíbrio entre teoria e prática nos anos 1960 e 1970, e a macrobiótica então floresceu. De 1980 a 2000 verificou-se o predomínio da prática (dieta) sobre a teoria (princípios). O curandeirismo talvez tenha se beneficiado com isso. Mas, em minha opinião, o verdadeiro progresso só virá a partir do retorno a uma apropriada ênfase nos princípios e nos objetivos mais amplos da autorealização.

Texto: Textos Interessantes - Site Restaurante metamorfose

quarta-feira, 1 de junho de 2011

A MAIORIA É AZARADO VOLUNTÁRIO

Fruto da televisão imoral que torna toda a criança criativa em ser humano destrutivo, adulterado e teleguiado, da publicidade que vende lixo e luxo, da maioria dos livros impressos sobre teorias hipotéticas ilusórias, da grande maioria do pensamento superticioso cientifico, acadêmico e religioso, a maioria não tem como escapar do azar. Na realidade este tipo de pensamento, fragmentado, unilateralista, idealista e esquizofrénico, que aspira ilusioriamente a separar o que é inseparavél, como se fosse possivél viver só o dia sem a noite ou a noite sem o dia.
Quem quizer transformar seu destino azarado em destino consciente e prontificado, precisa desenvolver uma consciência global, que implica em saber,pensar e fazer, na teoria e na prática da visão monista-dualista. Pois quem assim o não fizer, vai viver uma meia vida, e não terá condições de enfrentar, com certeza as bruscas trasnformções, dificuldades, sofrimentos, tristezas, que implacavelmente advirão como catástrofe, fruto consequente desse mesmo pensamento.