sexta-feira, 8 de abril de 2011

O Sal, Shoyu e Tamari


A medicina ocidental considera que o sal é o que mais contribui para os problemas cardíacos, designadamente hipertensão. Isto é verdade até certo ponto, se o sal não é acompanhado de azeite ou exercício físico. No Deserto do Sahara a unidade monetária é a barra de sal e no entanto os problemas cardíacos não são relevantes. É necessário
um coração fraco e uma alimentação desequilibrada para produzir uma paragem cardíaca, esta é a razão pela qual não podemos atribuir a culpa apenas ao sal. O sal é particularmente nocivo ao coração se este for ingerido com gorduras animais.
O sal dá poder e energia, pois uma falta de sal marinho na comida pode resultar em falta de força e apetite sexual. Aqueles que se sentem bem com uma dieta sem sal é porque o têm armazenado no corpo devido à ingestão de carne. Os excessos de drogas e açúcar removem o sal do corpo, provocando assim um apetite pelo mesmo.
Um excesso de sal produz um excesso de saliva e assim a água é extraída do corpo. Quanto mais sal ingerimos mais água necessitamos.
O sal em excesso pode produzir retenção de água no corpo. Também pode produzir prisão de ventre, hipertensão, distúrbios do coração e rins e úlceras duodenais.
Os sintomas de excesso de sal são: pele escura, endurecimento muscular, ficam visíveis os capilares no branco do olho, dentes cerrados,e dentes inferiores sobressaídos. A medicina ocidental recomenda tomar muitos líquidos para os problemas renais. Este resultado inicialmente pode ser positivo, mas acaba por cansar os rins, é pois muito mais prático comer menos sal. Quando ingerimos muito sal o intestino grosso absorve muita água, provocando uma perda de água
e as fezes tornam-se duras e secas, redondas e castanho-escuro parecendo fezes de coelho. Como consequência ocorre uma prisão de ventre yang e as fezes ficam brilhantes e lustrosas. Para as pessoas que armazenaram no seu corpo muito sal, especialmente sal proveniente de produtos animais, recomenda-se incluir na sua dieta folhas
verdes .Os banhos quentes são especialmente eficazes. Se o banho causar fadiga em vez de eliminála
é porque a pessoa necessita de mais sal. Se ingerirmos sal sem consumir produtos animais este é menos perigoso. As pessoas que ingeriram muita carne deveriam controlar o uso de sal, até o excesso de sal ser eliminado do corpo.
Existe uma conexão entre “sal” e “solar”. Têm a mesma raiz comum.
Existe uma ligação entre o sol e o sal. Todos os fluidos corporais contêm sal. Os cereais e vegetais têm pouco sal. A carne tem muito sódio e sais minerais, mas este sal não é adequado para nós. O sal do mar é o melhor. No Oriente utilizam-se os seguintes alimentos para ajudar na assimilação do sal:
Tamari - 18% sal
Missô - 13% de sal
Sopa de missô - 9% de sal
Pickles velhos - 20% de sal
Pickles novos - 3% de sal
Umeboshi - 20% de sal
Combinado tamari, gengibre e umeboshi e chá de três anos teremos uma bebida que fortalece o coração. O gengibre tem uma boa qualidade yin que combinado com o tamari, umeboshi e chá de três anos,ajuda a promover uma boa circulação sanguínea. O sal não entra nas células sozinho, pois precisa de óleo, somente aquando o sal e o
óleo se combinam, yang e yin, o yin do óleo fortalece o yang do sal. Razão pela qual o shoyu ou o tamari é muito bom, o óleo dos feijões de soja combina-se com o sal. O shoyu é uma preparação à base de soja fermentada, sal, koji e trigo. O tamari não tem trigo e demora mais tempo a fermentar, é mais yang.
Resumindo, a melhor maneira de ingerir sal é através do shoyu ou tamari e não o eliminar totalmente da nossa dieta.